Blog Canal da Ilha

logo
Blog

Dia das Mulheres: conheça 5 cineastas brasileiras

Quando o assunto gira em torno da presença de mulheres no cinema ou em produções audiovisuais, o primeiro pensamento remete a figura de renomadas atrizes. No entanto, mesmo com grandes nomes da teledramaturgia e do cinema nacional e internacional, a presença feminina ainda é muito baixa, tanto em frente das telas, quanto nos bastidores.

Esta não é uma questão atual na área, visto que está presente há muito tempo. Ao considerar, por exemplo, a chamada Era de Ouro do Cinema, que se deu entre os anos 20 e anos 60, é possível relembrar de diversas mulheres que estavam presentes nas produções.  

No entanto, profissionais do American Film Institute Archive e do site especializado IMDb, analisaram cerca de 26 mil filmes da época, segmentados em diversos gêneros. Nessas analises contabilizaram o número de mulheres presentes nos longas-metragens, seja como atrizes ou participando da produção, concluindo que a presença feminina no ramo sempre foi baixa.

No cenário brasileiro os dados apresentados levam a mesma conclusão. De acordo com a Ancine, Agência Nacional do Cinema, no ano de 2018, apenas dois a cada dez longas produzidos foram dirigidos por mulheres. Isso resulta em uma porcentagem de 22% em relação aos 176 produtos lançados.

Pensando disso, este artigo tem como objetivo apresentar e reconhecer importantes nomes femininos da indústria cinematográfica brasileira. Separamos a seguir, cinco grandes cineastas brasileiras:

Anna Muylaert

Nascida em São Paulo, Ana Luiza Machado da Silva Muylaert, mais conhecida como Anna Muylaert é diretora, produtora e roteirista de cinema e televisão. Formada em cinema pela Universidade de São Paulo, USP, começou a trabalhar como cineasta na década de 1980, a partir da realização de alguns curtas-metragens. 

Anna também participou da criação de programas infantis como Mundo da Lua e Castelo Rá-Tim-Bum. Suas principais obras são os longas, Que Horas Ela Volta? (2015) e Durval Discos (2002). 

Seus projetos foram reconhecidos de forma nacional e internacional, somando prêmios do Festival de Sundance nos Estados Unidos e de Berlim, na Alemanha. Ainda é possível destacar o troféu Grande Otelo no 15º Prêmio do Cinema Brasileiro.

Petra Costa

Petra Costa é uma cineasta mineira que faz parte da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas desde 2018. Ela estudou Artes Cênicas na Universidade de São Paulo, USP, durante dois anos, e posteriormente se graduou em Antropologia no Barnard College em Nova York.

A cineasta estreou no cinema com a produção e direção do curta Olhos de Ressaca, em 2009. Foi então em 2012 que realizou seu primeiro longa, Elena, no qual retrata a história de sua própria irmã que cometeu suicídio aos 20 anos. Com essa produção recebeu diversos prêmios e reconhecimentos, destacando uma crítica positiva dos jornais The New York Times e Hollywood Reporter.

No ano de 2019 sua produção em parceria com a Netflix, Democracia em Vertigem, estreou mundialmente. Da mesma forma, foi reconhecida por grandes jornais, indicada ao Oscar e ainda listada pela revista especializada em cinema, Variety, como uma das 10 documentaristas a serem vistas em 2019.

Suzana Amaral

Suzana Amaral, nascida em São Paulo por volta de 1930 (tanto registros da imprensa, quanto a própria família não sabem ao certo o ano), foi uma cineasta e roteirista brasileira. 

Com cerca de 37 anos e mãe de nove filhos, Suzana ingressou no curso de Cinema da Escola de Comunicação e Arte, ECA, na USP. Após concluir a graduação também cursou uma pós-graduação em Nova York, na renomada NYU.

Seus principais trabalhos foram A Hora da Estrela, adaptação do livro de Clarice Lispector e Hotel Atlântico, também inspirado no livro de João Gilberto Noll.  Seus trabalhos ganharam relevância e reconhecimento, destacando os prêmios de Melhor Filme e Melhor Diretor no Festival de Cinema de Brasília e Melhor Atriz para Marcélia Cartaxo, protagonista de A Hora da Estrela, no Festival de Berlim. 

Julia Rezende

Filha do diretor de cinema Sérgio Rezende e da produtora Mariza Leão, Julia Rezende é uma cineasta brasileira formada em História pela PUC-Rio e estudante de roteiro na Escola de Cinema Darcy Ribeiro.

Começou a carreira como assistente de direção em programas de TV e filmes, como o longa De Pernas pro Ar 1 e 2. Seu primeiro projeto como diretora foi Meu Passado Me Condena, que somou 3,2 milhões de espectadores, o que levou a produção do segundo filme, Meu passado Me Condena 2.

Sabrina Fidalgo

Indicada pela revista norte-americana, Bustle, Sabrina Fidalgo é a oitava das “36 Females Filmmakers Across the Globe Who Are Breaking Ground In Their Own Country”, ou seja, uma das 36 cineastas pelo mundo que está inovando em seu país.

Suas produções já foram exibidas em mais de 300 festivais nacionais e internacionais, destacando Los Angeles, Berlim e Tóquio. Entre suas obras, é possível destacar Black Berlin (2009), Rainha (2016) e Alfazema (2019).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.